sexta-feira, 11 de junho de 2010

Sexo e Futebol - Para as Mulheres!

O Atlético é dono de Minas mais uma vez – Galo! –,  Sport penta, Fortaleza tetra, o show de bola do Santos, Flamengo triunfando contra o Ronaldo e o seu Corinthians, o Cruzeiro rumo à conquista da América… Nada como um campeonato atrás do outro. São os estaduais chegando ao fim, a Copa do Brasil nas semifinais, a Libertadores na área, a volta do Brasileirão e a Copa do Mundo em contagem regressiva.
A galera vai à loucura, os marmanjos piram em uma histeria que nem Freud deu conta: infinitamente mais perturbados do que as mulheres com essa doença. Mas reparem, garotas e afilhadas de Balzac, no aspecto maravilhoso desse fanatismo: os últimos levantamentos revelaram um dado que sempre pareceu bastante óbvio, mas precisava da aura científica para se eternizar: a quantidade de testosterona produzida por um homem aumenta significativamente quando o seu time do coração é vitorioso. Mesmo que o jogo seja contra o Íbis, considerado historicamente como o pior time do mundo, com 70 e tantos anos de derrotas nas costas.
Ora, sendo a testosterona um hormônio ligado diretamente aos estímulos sexuais, é claro que um homem de bem com o seu time será um animal pelo menos 27,6% mais “animado” nos trapézios e bambuais do Kama-Sutra.
O percentual acima representa a quantidade do hormônio produzida a mais no corpo de um homem nos dias de vitórias do seu clube. A pesquisa foi feita pela Universidade da Geórgia (EUA). É! Um bando de loucos do departamento de sexologia de tal cátedra.
As mulheres devem tirar proveito desta pesquisa e aprender com os seus parceiros tudo que sempre quiseram saber sobre tiros de meta, volantes, meia ofensivos, escanteios e, queira Deus, até mesmo os mistérios da lei do impedimento – uma das coisas mais enigmáticas para as mulheres normais.
Mais um dado interessante da pesquisa, aterrorizante para quem torce por times tipo “B”, é o seguinte: nas seguidas derrotas, o “homo-fanaticus” perde um tanto da sua capacidade de produzir hormônios (os mesmos 27,6%) e apresenta-se inapetente para o amor ou o sexo propriamente dito.
Tente reanimar um sujeito, amiga, mesmo com os melhores dos dengos orais, depois de uma derrota acachapante da sua equipe!
Agora, as mulheres, que jamais compreenderam o banzo sartreano dos machos derrotados no futebol, podem entender aquelas quartas tristes e monossilábicas, como a desta semana para os fiéis corintianos ou fãs do Náutico no Recife.
O pior é que não adianta nada pedir para um sujeito mudar de time e tornar-se mais vencedor. Como sempre repito, mesmo com a promessa de 27,6%  de testosterona-plus, é mais fácil um homem-que-é-homem mudar de sexo do que de clube.

Um comentário:

  1. Uuuau, agora muita coisa faz sentido pra mim kkkk

    ResponderExcluir